Fluminense quer a ofensividade do psicólogo-treinador Fernando Diniz

No anúncio oficial da contratação de Fernando Diniz, na última quarta-feira, o Fluminense colocou em nota oficial: “Escolhido pelo perfil estudioso e de trabalho muito intenso”. Esta descrição define o treinador, quando sua carreira é avaliada.

Fernando Diniz, de 44 anos, apareceu no futebol nacional há quase três anos quando levou o pequeno Audax para a final do Campeonato Paulista, desbancando Palmeiras, Corinthians e São Paulo. O time foi vice-campeão, perdeu para o Santos. Mas o estilo de jogo chamou a atenção do País.

Os times de Diniz são ofensivos e o toque de bola é a característica principal de seus comandados. Os tradicionais chutões não são vistos nem quando seu time é pressionado. O goleiro é o mais estimulado a jogar com os pés. Sidão, ex-São Paulo e atualmente no Goiás, se destacou no Paulistão de 2016 exatamente por isso.

Em 2018, Fernando Diniz foi para o Athletico Paranense, mas não resistiu aos resultados do Brasileirão.

Fernando Diniz jogou no Flu de 2000 até 2003

Fernando Diniz jogou no Flu de 2000 até 2003

Folhapress – 7.11.2001

O Fluminense passa por crise política e financeira e busca um trabalho de longo prazo, que faça o time voltar a ser ofensivo. Combina com as características de Fernando Diniz, que, além de trabalhar a parte técnica, trabalha o lado psicológico dos jogadores.

Mas ele não desenvolve este trabalho só com a experiência prática, ele foi estudar e se formou em psicologia. Em entrevistas, Diniz afirmou que, se conhecesse melhor o seu lado psicológico e trabalhasse melhor emocionalmente, sua carreira como jogador teria sido outra.

Como jogador, o ex-meia atuou em alguns clubes grandes, como: Palmeiras, Corinthians, Santos, Flamengo e no próprio Fluminense.

Nas Laranjeiras, ficou de 2000 até 2003, participou de 60 jogos e fez sete gols.